domingo, 14 de novembro de 2010

Sobrou um… Mon Chérie

(carta ao Serôdio)

Serôdio, querido

Atendendo à minha intrínseca incapacidade de conquista de um relacionamento amoroso que me complemente… Quero um gato!


Terei uns olhos à minha espera.
Sentirei o toque de um embrulharem-se-me nas pernas.

Pular do chão para a cadeira. Pular para a mesa. Pular para o colo.
Pular!
Pular porque se está feliz.

Escutarei sussurros e passos que vêm para mim.
Farei cumplicidades nos silêncios.


Serôdio, querido

Assim como assim, a tua marca em mim é profunda. Inalienável.
O gato, tal como tu, não tem projectos nem sonha...

P.S.

Serôdio, querido
Escolhi uma raça híbrida – Ragdoll



("Soledad", para ouvir ... )

44 comentários:

  1. Minha linda zogiazinha, quando arranjares um gato, vê se tem irmão, sim? É que o meu dilema é igual ao teu, rrrss

    Um abraço recheado com mail em breve e desejos de um domingo suportável.

    SÂO

    Em tempo: vai como Anónimo, porque há aparece uma série de opções, das quais não entendo nada.

    Mais um abraço, querida.

    ResponderEliminar
  2. Escolheu bem Magy uma raça de personalidade , bonito,porte grande e elegante , e dizem que quando colocado no colo fica molinho tipo
    " sou todo seu" rs
    Ganhei de presente uma gata imagine que ficamos as duas miando por um gatinho... rs falando sério é mesmo uma excelente companhia , silenciosa , misteriosa , olhar demorado, um doce .
    Pior é que sempre faz falta um "bruto"mesmo (no bom sentido)claro!
    Falando humanamente pra acabar de vez com insônia sugiro um gato"
    com "pegadas" dá uma sonolência !!! e se possível com gentileza do Ragdoll, sei que há portugueses com essas características .
    Estou até pensando cruzar o Atlântico se me dizeres que além dos pasteízinhos de nata posso esbarrar com um pra chamar de meu rsrs e miar baixinho no meu ouvido kkkkk
    voce com esses textos acaba me dando corda .
    Vá lá no meu blog ver minha gatinha que ganha páginas inteiras porque é bonita e é minha .
    que jeito ? rs
    abraços e beijinhos da
    lis

    ResponderEliminar
  3. Escolheste muito bem o Mon Chérie substituto...)))
    Que tenhas muitos ronrons ternurentos...

    ResponderEliminar
  4. Estava aqui a falar com as minhas escamas se, nesta altura, um gato não será já serôdio...
    :-)
    Aconselho antes ... bolas, já me ia a esquecer que não dou conselhos.
    Pelo que li na resposta aos comentários anteriores (essa coisa das insónias), não será melhor um rebanho de carneiros?
    Gostei muito desta carta.

    ResponderEliminar
  5. Eu não escolheria um gato, nem de olhos azuis, mas sim um cão... onde nascem os gostos? não sei... mas ainda bem que cada um, tem os seus ;)

    Bjos

    ResponderEliminar
  6. Aqui há gato!!!!! já não é a primeira vez que os meus comentários desaparecem!! e esta hem!!!

    repetindo: Fico satisfeita com a a afirmação "quero um gato"! será desta que me ouves? já investiguei sobre a raça e parece-me bem...quanto a mim, um gato dos telhados já era bem bom...são mais gatos...rsrsrsr

    Posso ser a madrinha?
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  7. Um gato é uma excelente escolha e uma boa companhia mas nunca pode ser um "substituto".
    O seu "complemento" há-de surgir quando menos esperar!
    Abracinho meu!

    ResponderEliminar
  8. gatos e homens? ou "ratos e homens"? ou gatas e ratas? sei lá...

    enfim, estou baralhado!

    se calhar estou a ficar serôdio. também eu ... rss

    beijo

    ResponderEliminar
  9. Os gatos são mágicos e se são mágicos deve-se ter um que nos faça companhia e nos deixe alisar o pêlo... e que ronrone... porque se ronronar é porque está feliz... e nós também!

    ResponderEliminar
  10. Um gato será o quê?
    Um babygrow com bigodes, altivo, independente, caprichoso, vagamente indolente e sonâmbulo... E tudo o resto que possamos imaginar.
    É importante não esquecer duas faculdades importantes: olhar intenso e incorruptível -- Noite e dia -- e uma tremenda e indomável pulsão predadora.

    Depois...
    Há a ideia do gato domesticado, afável, um bichano querido que salta para o nosso colo e ali fica, a ronronar, como se tivesse ligado uma motor Efacec de fraca potência...

    Eu já tive um gato.
    Mistura de siamês e gato selvagem. Chamámos-lhe Florival.
    Tinha sete vidas. Morreram todas ao mesmo tempo.
    O Florival era prático.
    Quando chegávamos, miava, cultivando uma afabilidade inaudita, esfregava-se na minha canela e saltava para cima da tampa do motor: aquele calorzinho da chapa apaziguaria as suas pulsões?
    Quando lhe dávamos comida e um cão, atraído pelo cheiro, se aproximava, ele trocava a sobrevivência por um arremedo de coragem, sopro e tenacidade: o cão que comesse e desandasse.
    Razão prática.

    Tem-se um gato em casa porquê?
    Para ele nos adoptar!
    Quando isso acontecer, tudo correrá bem.

    «A pequena gata fitava cada um dos meus gestos/ com os olhos muito atentos tentando entender,/ absolutamente parada, a cabeça tensa,/ as orelhas espetadas como se pudesse ouvir/ cada palavra que eu escrevia/ no papel; que coisa veria/ ela, que sentido a prenderia?/ Os gatos mais velhos e os homens mais novos/ não se interessam por coisas fúteis.»
    In:
    «OS LIVROS»
    Manuel António Pina
    Assírio & Alvim

    Fica bem, Magy

    ResponderEliminar
  11. Querida MagyMay

    Neste dia luminoso aqui venho deixar um beijinho grande de parabéns. Muitas felicidades. Vicktor.

    ResponderEliminar
  12. ...gatos há muitos!!!
    Magy há só uma: parabéns, beijinhos e votos de felicidadepermanente.
    Até breve 'no sitio do costume'...

    ResponderEliminar
  13. Até pode ser una boa ideia, com ou sem, o gato é independente, o que menos importa...
    Mas sabe buscar quando quer...

    Beijinhos e que sejas muito feliz, sempre! Nada de soledade!

    ResponderEliminar
  14. São,

    Provavelmente seremos uma minoria de "incapazes", dentro do genero, óbvio...rs.
    Mas pôe o coração ao largo, zogia! O gatito ragdoll é difícil de encontrar... caro...enfim, as minhas escolhas nunca são fáceis...rs

    Um abraço

    ResponderEliminar
  15. Olá Ana!

    Benvinda. Agradeço-te o comentário.

    ResponderEliminar
  16. Lis,

    Li-te com tanta, tanta atenção.
    (rs)
    Ironicamente entendemo-nos a "falar" de gatos parece-me é que os vemos um bocadinho diferentes... (ou não)

    Gosto quando me dás corda. Isto ao vivo tinha pano para mangas.
    Vá, atravessa o Atlântico!!!

    Muitos beijinhos, muitos abraços
    minha brasileirinha

    ResponderEliminar
  17. Justine,

    Bom bom, bombom não será, mas...
    (rs)
    Até eu ter(?) o gatito ainda muito este nosso país vai dar pinchos e miar.

    Abraço apertadinho, apertadinho

    ResponderEliminar
  18. Caro Carapau,

    Eu vou alimentando esta minha ironia ao Serôdio e parece-me que... ou disfarço muito bem ou sou um desastre na comunicação escrita.
    Conclusão: Arrisco! (variadas interpretações)

    Quanto à sugestão dos carneiros... para mim, nem para as insónias.

    Obrigado por teres gostado da carta, ficou-me a ilusão de que a entendes-te...rs

    ResponderEliminar
  19. Isa,

    Mas tenho um apartamento pequenino e estou no trabalho o dia inteiro... o gato é mais adaptável a estas condições.

    ... e eu quero-o com todo o conforto e bem-querer...

    Beijitos

    ResponderEliminar
  20. Lilá(s)

    Ai...Ai... Um gato dos telhados é uma tentação! (rs)
    E aqui é dito e assumido, serás a madrinha.
    Prepara-te!!!

    Beijos

    ResponderEliminar
  21. Maria Teresa,

    Agradecida.
    Nada nos substitui, nada substitui o que só depende de nós... complementos, são bons só se não deteriorem o original.

    Beijinhos para si

    ResponderEliminar
  22. Heretico

    Esta minha mania de levar algumas coisas com um "assobiar para o lado", é a solução para quando a tua escrita fica pró baralhado, sabias?

    Beijo

    ResponderEliminar
  23. Sofá Amarelo,

    Ora aí está!
    Cada um a ronronar... os dois a ronronar...
    e é tudo!

    ResponderEliminar
  24. enquanto não arranjas um ragdoll, proponho que eu e a restante bicharada do "pequeno jardim" passemos uns fins de semana em tua casa, durante os quais teríamos de ser muito mimados (os mimos incluem escovadelas diárias e várias latinhas de paté "sabores do campo", das quais somos apreciadores).
    prometemos não estragar os cortinados.
    marradinhas afectuosas

    ResponderEliminar
  25. híbrido!?

    acho que é um bom desafio: fazer dele um gato 100%.

    ResponderEliminar
  26. Dizem que os gatos são muito independentes e ás vezes traiçoeiros.
    Eu cá "nãã sei" porque nunca tive nenhum gato.

    Tudo de bom

    Tenho uma caixinha de Mon Chérie:)))) Queres?

    :)

    ResponderEliminar
  27. um gato é um gato e não tem nada a ver com os sereios, os unicórnios e outras bestas amestiçadas.e basta um gato para encher uma casa. com gato nunca mais se sente solidão.

    ResponderEliminar
  28. JPD,

    Depois de ler-te... quero em gato!
    (rs)
    Até o teu comentário dava um post; bela prosa.

    Abraço

    ResponderEliminar
  29. Meu Guru,

    Agradecida, por lembrares.
    És um doce!

    Beijinho de saudades

    ResponderEliminar
  30. Des-escantos,

    Obrigado, obrigado, obrigado!!!!

    Gostei muito

    e até breve no sítio do costume

    ResponderEliminar
  31. Olá Duarte,

    Esta carta ao Serôdio tem alguma ironia (e fantasia), sabes?
    O que sei é que há Serôdios, sei que há gatinhos bons companheiros e sei que há momentos em que estar só é muito bom (indispensável, até) e sei também que solidão é coisa que mói as entranhas, lixado, mesmo!

    Estou bem quando sinto carinho... e o teu comentário é carinho.

    Abraço de vida

    ResponderEliminar
  32. Idun,

    Agradeço enternecida e até enlevada com a gentileza.
    Essa tua proposta é mesmo de gata... digo eu, que nunca tive gato nem gata mas que é muito feminina lá isso é.

    rs

    Umas festinhas e...
    não há nada como o teu pequeno jardim, fica calma!

    ResponderEliminar
  33. Augusto,

    Gosto de desafios mas o de mudar genes ou outras características próprias, nã...nã...nã

    Porque pensas que descobri que não era perfeita?...rs

    ResponderEliminar
  34. Aflores,

    Carambas! Nem lembrava essa dos gatos serem traiçoeiros...
    Mas este é híbrido, está tudo previsto! rs

    Ora manda lá um Mon Chérie!

    Abraço

    ResponderEliminar
  35. Rui,

    Tardas mas apareces.
    E és muito convicto no que respeita a gatos. Arrisco na escolha do gato, gato não é serôdio, vou firme e decidida é?

    Abraço

    ResponderEliminar
  36. Querida amiga, notei isso, e até gostei. Aliás é algo que percebi desde o primeiro momento que te li, assim como o bom sentido de HUMOR, que nunca falte!
    Solidão má coisa, como bem dizes, convém estar perto de afagos e palavras de carinho.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  37. O comentário que fiz na semana passada desapareceu.
    Mas eu também não gostos de gatos...
    Querida amiga, boa semana.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  38. Olá Carlos

    Que bom o teu regresso à blogosfera!
    Agradeço a visita

    Abraço

    ResponderEliminar
  39. Duarte,

    Eu também intuí que me entendes...

    Beijinhos para ti

    ResponderEliminar
  40. Nilson,

    Será que veio o gato e comeu-o!? Como no anúncio dos chocolates de Natal... (rs)
    O que importa é que a tua semana esteja a ser boa.

    Beijo e Abraço

    ResponderEliminar